Dicas sobre como calcular honorários advocatícios

 

Saber como calcular seus honorários advocatícios e quanto cobrar é mais do que apenas alinhar-se com o que você acha que o mercado quer ou com o quanto você gostaria de ganhar. Trata-se de entender os objetivos do seu negócio, bem como a forma de se chegar a um bom critério de precificação.

Segundo a Above The Law, saber como calcular o preço de seus serviços é um desafio para 21% dos advogados recém-formados e que ainda não sabem quanto cobrar por seus honorários advocatícios.

Um dos erros mais frequentes cometidos pelos advogados é focar-se somente nos valores praticados pela concorrência. No entanto, para se chegar a um bom valor, é necessário que o preço final dos honorários advocatícios seja sustentável para o seu negócio.

Em outras palavras, se o valor do seu serviço não contempla minimamente o custo de todos os recursos necessários para a execução do trabalho, o advogado pode estar saindo no prejuízo.

Nesse sentido, é fundamental que o profissional tenha ciência de seus custos fixos para saber quanto deve cobrar pelos seus serviços.

Quando se trata de uma atuação contenciosa, por exemplo, algumas externalidades do processo também devem influenciar no cálculo do valor dos honorários.

Dependendo do tipo de processo, das chances de êxito e até da vara onde é distribuído, o caso pode ganhar menos ou mais complexidade. E isso deve ser considerado no custo final dos honorários advocatícios.

Alguns advogados gostam de cobrar por êxito, por exemplo. Essa modalidade, embora seja mais arriscada, pode implicar na cobrança de valores maiores pelo profissional.

Assim, considere não apenas as questões objetivas, mas também as externalidades que podem fazer com que você gaste muito mais tempo em determinados casos.

Outra dica interessante é utilizar outros trabalhos como parâmetro na hora de precificar seus honorários advocatícios. Com um pouco de experiência, o advogado costuma ter uma noção de quanto tempo gasta para elaborar uma peça, um contrato, ou mesmo um relatório.

Diante de tantas especificidades, pode-se dizer que saber criar um bom critério para calcular os honorários advocatícios pode ser um grande desafio para muitos Advogados. Por isso, com o objetivo de contribuir em uma reflexão sobre o assunto, listamos abaixo 7 dicas importantes que devem ser levadas em consideração nessa análise:

 

  • Tente praticar os preços da tabela da OAB correspondente ao seu estado. Os escritórios pequenos não têm como escalar serviços, de modo que ele é quase artesanal, logo não se deve baixar demais os preços.

 

  • Só diminua os preços para clientes estratégicos, isto é, aqueles que vão lhe trazer mais negócios no futuro.

 

  • O valor cobrado deverá cobrir todos os seus gastos (do começo ao fim da ação), dessa forma, calcule o custo/benefício para você ou para o seu escritório;

 

  • Gastos com estudos e horas em cima da causa deverão ser computados nos honorários;

 

  • Não fuja da realidade processual e não cobre mais que seu cliente possa arcar;

 

  • Faça uma previsão de tempo, desde a preparação ao trânsito em julgado da ação e tente prever possíveis recursos, embargos e apelações que poderão ser necessários;

 

  • Não tenha medo de dizer não. Eventualmente uma porta fechada vai te dar a oportunidade de se dedicar a algo que te traga mais benefícios a médio e longo prazo.

 

E por fim, conte sempre com o apoio de sua contabilidade para verificar a saúde financeira do escritório e o andamento dos negócios.

Se precisar de ajuda, conte com a PEJOTA Contabilidade especializada para Advogados!

Faça um contato e entenda como ajudamos nossos clientes de todo Brasil a ter mais sucesso na advocacia!

Postado em Sem categoria