Gestão Empresarial é importante para meu escritório de advocacia?

Sou Advogado, formado há apenas 9 anos. Mas meus colegas sempre dizem que eu sou referência aqui na cidade quando o assunto é Direito Societário ou de Família. 

Metade dos casais que se divorciaram aqui, estiveram no meu escritório e me contaram, detalhadamente, seus problemas mais íntimos. Sempre com versões diferentes entre as partes, é claro!

Tornar-se referência na área não é fácil. É preciso participar de vários congressos, cursos, palestras, e manter-se sempre atualizado sobre as novidades da área. 

Pra chegar lá eu fiz tudo isso. Tudo! Mas nos últimos 6 meses meu escritório começou a acumular prejuízos

Como eu deixei isso acontecer? Logo eu, que sou referência na minha região?

Meu maior erro foi tratar o meu negócio, a concretização de um sonho, como “Meu Escritório”. 

Poxa, se ele é meu, eu mando e desmando, mesmo se eu estiver errado. E eu quase nunca estou errado, pois sou referência na minha cidade, lembra?!

Esta foi então a primeira ladeira que eu desci rumo aos resultados negativos. Isto porque escritório de Advocacia deve ser tratado como um negócio. E todo negócio precisa de gestão, planejamento, estratégia e profissionais que estão sempre atentos ao mercado.

Mas será que o Direito é inimigo do empreendedorismo?

Uma verdade que incomoda: as faculdades de Direito não preparam o futuro Advogado para o empreendedorismo. Com um número cada vez mais crescente de profissionais do Direito no mercado e o grande aumento do registro de novas Sociedades de Advocacia é latente a necessidade de incluir gestão, estratégia, empreendedorismo e mercado financeiro na grade curricular dos cursos de Direito no País. 

No Brasil, nós, donos de Sociedades de Advocacia, ainda tendemos a ser mais reativos do que proativos na condução dos negócios. Ou seja: só reagimos quando a crise já chegou, e não nos preocupamos em estudar para antever o mercado.

Há pouco foco, análise de resultados, motivação de equipes, investimento em tecnologia e gestão de pessoas.

Quando muito os escritórios dos meus colegas possuem como resultado final uma lista de desejos, mas sem estratégias empreendedoras para alcançá-los.

Para não cometer os mesmos erros que eu cometi é preciso enxergar a advocacia como um negócio e os escritórios como empresas. Por isso nós selecionamos algumas dicas que você já pode começar a executar ainda nesta semana, veja: 

1 – Pense na ideia de ter um sócio que tenha um perfil de gestor

Se você não está por dentro do que acontece no mercado, como aplicar as práticas mais eficientes e inovadoras para seu escritório?

A maioria das Sociedades ainda são um grupo de peritos jurídicos, ou seja, muita gente que entende de Direito e ninguém que entende de dinheiro

Este sócio, além de advogar, será responsável por:

  • Mapear o mercado e ver quais são suas tendências;
  • Definir metas a curto, médio e longo prazo;
  • Organizar os processos de trabalho;
  • Ter uma visão estratégica na análises de  custos, compras e vendas;
  • Ter noções de contabilidade e tributação.

O importante é ter alguém que pense no seu negócio com um olhar empreendedor!

2 – Treine sua equipe para entregar resultados

Sua equipe apaga incêndios? Parabéns, você pode estar indo para o mesmo caminho do meu escritório há alguns meses – ladeira abaixo!

Todo escritório que não conta com uma gestão jurídica empresarial focada em resultados acaba desperdiçando o seu recurso mais precioso: o tempo

Já imaginou quantas horas de trabalho do seu time poderiam ser melhor aplicadas se existisse um bom planejamento das atividades, com foco em resultados financeiros?

Isso sem contar que, na Advocacia 4.0, produtividade é fator de competitividade. Logo, investir em uma rotina eficiente e em um time de Advogados alinhados aos objetivos do escritório é essencial para minimizar custos e aumentar a lucratividade.

3 – Estabeleça um Workflow

Depois de identificar os motivos que levam seus Advogados (associados, de serviços ou colegas em diligências) a serem consumidos pelos incêndios, o primeiro passo é estabelecer um Workflow.

Workflow (ou simplesmente fluxo de trabalho) é uma maneira de redefinir todas as etapas de execução do trabalho, permitindo assim maior organização, efetividade e interação entre Advogados com diferentes especializações. Esta metodologia serve para Advogados que vão executar tarefas independentes ou em equipe.

Com um Workflow bem planejado e aplicado é possível que diferentes Advogados trabalhem em um mesmo contrato, ou em um mesmo processo. 

Assim, toda a equipe tem maiores chances de se organizar e produzir com mais eficiência, pois a metodologia delimita as atividades e seus devidos responsáveis. Assim todos os projetos podem ser cumpridos em conjunto, sem retrabalhos e dentro dos prazos.

Com um Workflow bem definido e uma Gestão Empresarial focada no seu funcionamento, as chances do aparecimento de incêndios diminuem, e sua equipe passa a ser efetivamente mais produtiva.

No mercado, diversas ferramentas gratuitas ajudam na organização destas tarefas. As mais usadas nos escritórios de advocacia brasileiros são o Trello, Asana, e o GranttProject.

4 – Trabalhe a precificação juntamente com a percepção de valor

Muita gente associa – erroneamente – Gestão à Precificação. Mas na verdade, o seu cliente contrata o serviço pelo seu valor como Advogado(a).

Lembra da “referência” que eu falei no início deste artigo? Pois é! Eu, por exemplo, sempre fui procurado por ser referência na minha cidade. 

As pessoas me procuravam porque eu ia resolver o problema deles, e não porque eu cobrava mais caro ou mais barato.

O cliente pode até se preocupar com custo, mas o que ele quer mesmo é uma solução para seu problema jurídico.

No Brasil as pessoas só contratam um Advogado quando têm um problema. Pagam os honorários do Advogado porque acreditam que ele é o guardião das soluções jurídicas. 

Mas, na verdade, não é só por isso que pagam…

Elas vêem no Advogado outras qualidades, como ouvir o problema, entender os motivos e explicar pacientemente como e quanto esse problema pode afetar suas vidas. Aproveite este momento e gere valor mostrando que você é a pessoa certa para resolvê-los!

Conclusões & outras dicas:

Agora você pode estar se perguntando: será que a gestão empresarial no meu escritório funciona da mesma forma? 

Um dos principais ganhos da gestão empresarial é a possibilidade de criar processos bem definidos a partir de uma rotina produtiva, organizada e otimizada no escritório.

Quando isso ocorre, a consequência direta é o aumento da produtividade e, consequentemente, aumento da lucratividade. 

Mesmo que você tenha uma Sociedade Individual de advocacia, onde o dono faz tudo sozinho, é imprescindível saber como conduzir ações voltadas ao crescimento sustentável do negócio.

Aliás, especialmente nestas Sociedades Unipessoais, onde sempre há mais tarefas do que mãos disponíveis para realizá-las, a gestão empresarial deve ser priorizada.

Gestão empresarial é um conjunto de estratégias de condução de negócios a melhores resultados, partindo de ações que envolvem a organização de processos, o controle das finanças, a administração dos recursos humanos e materiais

E foi assim que eu consegui resolver os problemas do meu escritório: com definição de metas, organização de processos, planejamento estratégico, análises de  custos, compras, vendas, pagamentos e recebimentos, contratações e demissões, enfim, tudo o que envolve o ambiente de um escritório que quer crescer como empresa.

 

Precisa de orientações financeiras e tributárias? Conheça a PEJOTA, Contabilidade especializada para Advogados.

 

*Personagens fictícios, histórias cotidianas.

Postado em Advocacia, Dicas Legais